Nota Pública Violência Policial

Categorias
Texto por
Comunicação Casa
Data
21 de junho de 2013

Nota de 21/06

A Casa Fluminense é uma organização nova, dedicada a promover a redução de desigualdades e o aprofundamento democrático no Rio de Janeiro. Desde a sua criação, em fevereiro, vimos nos dedicando a criar uma rede de interlocução e ação coletiva voltada a toda a capital e à região metropolitana e a elaborar em conjunto uma pauta de propostas para fazer frente aos desafios presentes da construção pública inclusiva, participativa e universalizante no Estado.

Neste período, e por princípio de atuação, buscamos o equilíbrio e consequência nas manifestações públicas, buscando a formação sólida de uma pauta compartilhada, fortalecendo a ação dos associados da Casa e contribuindo para fortalecer a ação pública por um Rio melhor, porque democrático e para todos.

Mas os acontecimentos de ontem à noite no centro da capital não permitem pecar pela omissão. Não é possível deixar passar em branco a violência policial desenfreada, perseguindo indiscriminadamente a quem estivesse na rua. Nem é possível silenciar diante da opção por buscar no dia seguinte, com o aval das autoridades, atribuir toda a responsabilidade ao suposto imperativo de reagir à ação criminosa de cidadãos. Este é o modelo perverso de uso da força nas ruas e de comunicação pública posterior tristemente consagrado na pior rotina da ação policial em comunidades populares da cidade e do Estado, e será um dano irreparável para a nossa vida democrática deixá-lo estender-se para a forma de lidar com manifestações populares.

Não é preciso frisar o repúdio igualmente a atos de violência ou vandalismo contra o patrimônio público – este é presumível, como o é a atribuição policial de contê-los. Mas ontem não foi de fato isso o essencial: a ação policial, ao contrário, alimentou o conflito e sob o manto da iluminação pública desligada e da ausência de câmeras jornalísticas o estendeu a todos que ali estavam, e agora alimenta-se dele para justificar-se. Exatamente como historicamente vimos acontecer nas favelas da cidade, e imaginávamos poder estar caminhando para deixar de ver.

Hoje, com tudo mais que há para assimilar, demandar e ponderar com lucidez no país agora, precisa ser dia de afirmar isso com clareza no Rio. A Casa Fluminense sente-se assim no dever de fazê-lo e estimular para que se faça, ao lado de todos os demais esforços pelo aprimoramento das instituições e políticas de segurança pública, pela mobilidade urbana e pela ampliação de oportunidades sociais e democráticas a que mais do que nunca precisaremos seguir dedicados.

Nota de 25/06

Não era definitivamente desejável ser preciso voltar tão rapidamente ao assunto.

Na sexta passada, publicamos aqui nota crítica à ação da polícia diante das manifestação de quinta, no centro da cidade. Nela, como muitos fizeram, apontamos a triste similaridade entre o padrão de brutalidade adotado na ocasião e aquele empregado historicamente na pior rotina da ação policial em comunidades populares da capital e do estado. Não seria possível imaginar que o paralelo seria exposto de forma tão emblemática, tão poucos dias depois.

A diferença, incomensurável, é conhecida, e tem sido também observada por todos: nas favelas, as balas não são de borracha. Na Maré ontem, mais uma vez, várias vidas se perderam, outras tantas foram comprometidas pelos ferimentos. E o Rio viveu outra triste demonstração da distância que nos separa de mudanças sólidas e universais nas formas de atuação das suas instituições policiais, no tratamento igualitário a seus cidadãos e no preparo dos seus agentes públicos para isso. Mais que isso, viveu no intervalo de uma semana a lembrança dura de que estamos longe de desfazer-nos da barbárie como elemento da vida coletiva, nesses episódios e no cotidiano de áreas menos visíveis em toda a metrópole e o estado.

Fica aqui a nossa solidariedade aos familiares das vítimas do confronto e a todos os moradores da Maré, só podendo esperar que tudo isso sirva também para lembrar com clareza a todos do imperativo de avançar com reformas de longo alcance nas nossas polícias, muito além daquelas já alcançadas.

Por Daniela Fichino

Por Daniela Fichino

Outras Notícias

quis commodo amet, vulputate, id eleifend consequat.