Fundo Casa Fluminense promove intercâmbio de experiência de monitoramento de políticas públicas

Texto por
Larissa Amorim
Data
26 de novembro de 2020

Nesta terça-feira (25), lideranças locais integrantes dos 20 projetos selecionados na Chamada Agenda Rio 2030 para a Ação Comunitária, do Fundo Casa Fluminense, participaram de um encontro de intercâmbio de monitoramento de política públicas com a equipe do núcleo executivo da Casa. Além do apoio financeiro, a proposta da chamada é fomentar o desenvolvimento de estratégias na construção de soluções locais de curto e médio prazo aos desafios enfrentados nos bairros e favelas em que atuam. 

Na abertura do encontro, o coordenador de informação da Casa, Vitor Mihessen, compartilhou as experiências de monitoramento desenvolvidas institucionalmente, a partir da contribuição e do engajamento da rede de parceiros, como o Mapa da Desigualdade 2020, Agenda Rio 2030, Painel Agenda Rio e do Painel de Monitoramento. As publicações buscam trazer diagnósticos e propostas sobre as condições de vida na periferia metropolitana, baseados em dados públicos e na geração cidadã de dados. 

“Estamos buscando sistematizar as etapas da estratégia de monitoramento da Casa Fluminense, de olho nas nossas experiências anteriores com as publicações propositivas e de diagnóstico da realidade desigual experimentada nas periferias da metrópole. Ainda que as experiências de atuação local sejam distintas e específicas, podemos listar algumas etapas comuns a serem realizadas. E as experiências das agendas locais em Queimados, Japeri, Maré e Santa Cruz são o início da sistematização dessa metodologia”, comentou Vitor.

Para Douglas Almeida, da coordenação de mobilização e incidência, os primeiros resultados eleitorais apontam para um contexto desafiador no que se refere ao monitoramento cidadão local, mas afirmou ser estratégico olhar para as diferentes possibilidades do que significa acompanhar a gestão pública territorial.

“Para este próximo ciclo será importante nos fazermos algumas perguntas. É possível dialogar com as novas prefeituras locais? Como as agendas locais e ações comunitárias podem colaborar com mudanças reais? Será importante nos preparamos para janelas de oportunidades que podem significar espaços de interlocução com alguma secretaria, por exemplo. Mas se nenhuma interlocução com o poder público for possível, identificar demandas prioritárias e sistematizar estes diagnósticos locais construídos, a partir das escuta coletivas com os moradores, já é um grande ativo político”, compartilhou Douglas.

Leia mais: Entrevista com Yasmin Monteiro sobre as novidades do Fundo Casa Fluminense 

Observar as necessidades, acompanhar as decisões e intervir pelo bem comum

Durante o encontro, as quatro agendas locais lançadas neste ano — e que integram os projetos apoiados pela Chamada Agenda Rio 2030 — compartilharam o seu passo a passo de elaboração das propostas com os representantes das outras iniciativas participantes, que estão realizando ações emergenciais para reduzir o impacto da pandemia em redes de solidariedade nas comunidades ou iniciativas culturais, de cuidado e de saúde mental, ou ainda, de mobilização comunitária. 

Pela Agenda de Queimados, Gisele Castro, da Golfinhos da Baixada, compartilhou que uma pesquisa realizada com as famílias atendidas durante a pandemia produziu dados e reflexões importantes para a elaboração das propostas que fazem parte da agenda local, além das trocas durante o Curso de Políticas Públicas de Queimados e a trajetória de atuação dos grupos locais que integram a agenda. 

“Com a criação da agenda local, fomos levados a pensar na cidade de Queimados como um todo. Com outros coletivos e organizações, juntamos nossas atuações e estamos buscando contribuir para um desenvolvimento justo. É nossa responsabilidade cobrar e monitorar, por isso estamos criando, para além da Agenda, o Elo por Queimados para acompanhar o legislativo no próximo ano.”

Em outros grupos, Ruth Osório, da Carta da Maré, Pablo Ramoz, do Plano Santa Cruz 2030, e Esdras Silva, da Agenda Japeri 2030, compartilharam a construção coletivas de suas agendas locais. Após as falas, as lideranças locais dos projetos apoiados foram provocados a identificar quais ações desenvolvidas territorialmente tinham relação com monitoramento e incidência de políticas públicas e que desafios estão postos.

No município de Belford Roxo, a Programa Sim, eu sou do Meio! se prepara para articular audiência pública sobre temas estratégicos que foram mapeados durante o ciclo de debates eleitorais Geral no Meio. Ainda na Baixada Fluminense, em Nova Iguaçu, o Instituto Enraizados está atuando na mobilização local para impedir que a única praça que cumpre a função de equipamento público cultural no bairro de Morro Agudo seja ocupada por uma academia. 

Na Zona Oeste do Rio, no bairro da Vila Kennedy, o SAAF está desenvolvendo pesquisa para avaliar impacto das mudanças dos materiais escolares, por conta da pandemia, na aprendizagem dos alunos que participam do projeto, atentos o desafio de produzir um diagnóstico sobre o desempenho escolar com poucos dados públicos disponíveis sobre as escolas da região. 

As atividades apoiadas pelo Fundo Casa Fluminense segue com calendário de realização e troca de experiências até 2021. Acompanhe pelo site e pelas redes sociais a série que vai apresentar com mais detalhes o perfil dos 20 projetos selecionados. 

Outras Notícias

Download - Mapa da desigualdade

* campos obrigatórios
leo. adipiscing tristique dolor. Nullam dictum commodo eleifend