Editorial Casa 2020: Girar a política das cidades

Categorias
Texto por
Comunicação Casa
Data
18 de fevereiro de 2020

A Casa Fluminense chega em 2020 com o sentimento de ter feito o bom combate em 2019. A organização amadureceu e aperfeiçoou projetos de formação e fortalecimento de lideranças sociais, posicionou-se contra o autoritarismo na câmara metropolitana e o aumento da violência policial, e aprofundou o debate propositivo sobre mobilidade urbana e saneamento básico. No entanto, sabemos que a conjuntura política está emitindo sinais cada vez mais frequentes para a radicalização do autoritarismo e violência de Estado, com riscos de retrocessos ainda maiores em nossa democracia. Na metrópole do Rio, o alto nível de desemprego, a violência urbana e a precarização dos serviços públicos tornam a vida nas cidades ainda mais difícil. Diante desse cenário, a Casa estabeleceu seguintes objetivos para 2020:

Influenciar o debate público nas eleições 2020

Diante do aprofundamento da crise no Rio de Janeiro, a Casa Fluminense entende que os diferentes estratos da sociedade carioca e fluminense precisam dar respostas políticas capazes de promover um GIRO nos rumos da cidades. Este GIRO deve apontar para duas direções específicas. A primeira é a necessidade de reafirmar os conteúdos do pacto democrático e republicano como valores comuns na sociedade brasileira, com a defesa do desenvolvimento justo, inclusivo e sustentável, do respeito à diversidade, da redução das desigualdades sociais, e da geração de oportunidades e bem-estar para todas e todos. Isso é fundamental no contexto em que o crescimento e a consolidação da extrema-direita no país ameaçam ativa e publicamente esses valores. A partir dessa compreensão, o desafio é engajar o conjunto da sociedade em torno de objetivos comuns para as cidades, com compromisso de estabelecer planejamento, transparência e participação na construção de políticas públicas capazes de gerar oportunidades e reduzir desigualdades nos diversos municípios na metrópole do Rio. A segunda direção do GIRO é a entrada de novos/as protagonistas no cenário político, com destaque para a necessidade de mais jovens, mulheres, negros e outros sujeitos das periferias nas eleições municipais de 2020 e nos espaços de poder político. 

Com base nessas premissas e na experiência do movimento Rio por Inteiro, realizado em 2018, a Casa Fluminense e a Fundação Cidadania Inteligente estabeleceram uma parceria para atuação nas eleições 2020. As duas organizações vão realizar a iniciativa GIRO 2020, que possui o objetivo de fortalecer a democracia antes, durante e depois das eleições, com a promoção de uma agenda propositiva para as cidades, capacitação de lideranças sociais e a interlocução com as candidaturas, construindo uma estratégia compartilhada de monitoramento das prefeituras em 2021.

A agenda propositiva do GIRO será a Agenda Rio 2030, principal documento de propostas de políticas públicas, organizado pela Casa Fluminense em parceria com diversas organizações da sociedade civil. O documento, que está em sua terceira edição, é atualizado a cada dois anos e lançado sempre no período eleitoral, buscando qualificar o debate sobre as prioridades na metrópole do Rio. Em 2020, a Casa já iniciou o processo de consultas, debates e entrevistas com parceiros e especialistas para atualizar as propostas da Agenda Rio e lançou um formulário on-line para receber sugestões na revisão do documento. Você pode fazer a sua contribuição aqui.

Além de revisar o conteúdo, as consultas possuem o objetivo de repactuar e expandir a rede de interlocução da Casa, construindo mínimos comuns entre um campo amplo e plural da sociedade civil do Rio. A grande novidade desta edição da Agenda Rio 2030 é que as propostas da publicação serão atravessadas por 4 valores transversais: justiça econômica, justiça racial, justiça de gênero e justiça ambiental.

Em 2020 a Casa também lançará uma nova versão do Mapa da Desigualdade com indicadores atualizados, disponibilizando de forma fácil um conjunto de informações para todos aqueles que queiram fazem um debate baseado em evidências. Espera-se que essas ações construam uma agenda sintonizada com as necessidades reais das camadas populares e com as principais diretrizes sobre o desenvolvimento sustentável, estabelecendo-se como um documento de referência no debate sobre o futuro da metrópole do Rio. Portanto, atualizar a Agenda Rio 2030 e reforçar a aliança com a rede de parceiros da sociedade civil são os primeiros passos para a atuação da Casa nas eleições municipais. 

Uma novidade neste ano é que a Casa realizará um curso de capacitação para candidatos/as a vereador/as, assumindo maior protagonismo em pautar temas-chave do debate público com jovens lideranças que estarão na disputa eleitoral. Após o lançamento da Agenda Rio, prevista para o mês de junho, durante o Fórum Rio 2020, a Casa intensificará o calendário de encontros, reuniões e debates públicos com candidaturas, buscando sempre fazê-las em conjunto com seus parceiros da sociedade civil e outras lideranças sociais. Todo esse esforço de proposição e interlocução do GIRO 2020 deverá repercutir nas mídias tradicionais e independentes e nas redes sociais, expandindo o debate público sobre prioridades para os municípios da metrópole do Rio. 

Potencializar lideranças sociais e organizações populares

Não existe saída de curto prazo para a crise política e social que vivemos no Rio e no Brasil. É necessário plantar sementes para a construção de um projeto político de médio e longo prazo, que aprofunde a democracia, fortaleça as instituições e o ambiente de participação da sociedade civil, e que promova uma agenda de redução das desigualdades e de desenvolvimento inclusivo e sustentável. Este projeto somente será possível com a participação e o protagonismo dos sujeitos da periferia que sofrem cotidianamente com as longas jornadas no transporte público caro e precário, com a violência policial e de grupos criminosos armados, com o desemprego, a falta de oportunidades e o aumento da pobreza. São os pobres, as mulheres, os negros e a juventude, os sujeitos capazes de encarnar a indignação contra um projeto de exclusão social que marca a história do Brasil e está atualmente representado pelas forças políticas dominantes.

Portanto, neste cenário, cabe à Casa Fluminense atuar para identificar, capacitar e apoiar lideranças sociais da periferia. A Casa vai aperfeiçoar sua capacidade de atrair e engajar lideranças com potencial de serem articuladores e multiplicadores de ações em seus territórios, oferecendo capacitação, redes de contato e apoio para ampliar o impacto de suas atividades. A realização deste trabalho com qualidade e regularidade pode proporcionar novas formas de organização popular nas periferias e o fortalecimento das organizações existentes. Este trabalho será decisivo no próximos anos, pois somente elevando o grau de mobilização e organização popular será possível alterar a correlação de forças na direção do projeto político que a Casa defende em sua missão institucional.

Para alcançar este objetivo em 2020, a Casa continuará com seus projetos básicos de mobilização, que são o Curso de Políticas Públicas, o Fundo Casa Fluminense, o Fórum Rio e a rotina de Ações em Rede. Serão realizadas ações de capacitação e engajamento para lideranças sociais no contexto das eleições municipais, fortalecendo uma rede de atores para o debate de propostas em 2020 e o monitoramento em 2021. Também haverá um olhar especial para colaborar com organizações populares e/ou articulações em rede para a defesa de políticas públicas, incluindo aqui o apoio direto à pré-vestibulares comunitários na metrópole.

Não temos dúvidas de que 2020 será um ano difícil, mas ele também carrega a possibilidade de ser um ponto de virada e de esperança para os próximos anos. Para isso acontecer, precisamos GIRAR A POLÍTICA DAS CIDADES na direção certa.

Agenda Rio

Conheça o projeto

Outras Notícias

quis, ut id venenatis, risus vel, id, dapibus sem,