Plano Santa Cruz 2030 é marcado pelo protagonismo dos moradores e o foco na juventude

Texto por
Luize Sampaio
Data
14 de setembro de 2020

Depois de mais de 3 anos de trabalho, o Plano Santa Cruz 2030 foi lançado na última sexta-feira (11/09) durante uma transmissão ao vivo no facebook. A agenda local é fruto de um trabalho de escuta ativa articulado pela sociedade civil através de uma rede de moradores, lideranças sociais e coletivos da região. O plano reúne uma série de propostas que tem como objetivo o desenvolvimento local da Região Administrativa de Santa Cruz, que engloba também os bairros de Sepetiba e Paciência. A Casa Fluminense, o Conselho Britânico e a Ser Cidadão são parceiros da publicação e participaram do encontro virtual. 

Uma das principais ações do Plano é a articulação com as empresas do distrito industrial de Santa Cruz. O produtor cultural, Pablo Ramoz, acredita que a iniciativa privada precisa ajudar no desenvolvimento local já que lucra com a região.  

“O protagonismo do Plano Santa Cruz é da sociedade civil, nós que estamos articulando e pensando essa agenda. Mas, outro ator importante da região são as empresas, elas impactam no território e precisam arcar com as responsabilidades disso. O primeiro passo de aproximação já foi dado, mas é preciso garantir o apoio de todas nesse processo”, enfatizou Ramoz. 

A agenda foi elaborada a partir de 4 eixos temáticos: saúde, emprego e renda, educação e cultura. Uma das formas de organizar todo esse trabalho foi através da metodologia Cidadania Ativa, produzida pelo Conselho Britânico. A gerente de projetos e sociedade do Conselho, Juliana Guimarães, contou que só com a presença cidadã ativa é possível criar ações que contemplem os olhares daqueles que convivem diariamente com a série de desafios do território. 

“A agenda é resultado de uma escuta ativa, mas também dessa produção coletiva que foi fundamental na hora da gente projetar e garantir um desenvolvimento sustentável e também durável para a região”, afirmou Juliana.  

Uma das apostas do Plano é conseguir mudar o atual cenário da juventude local, em que mais de 25 mil jovens estão fora do mercado de trabalho e da escola. Esse dado foi divulgado no Mapa da Desigualdade de 2017, produzido pela Casa Fluminense. O coordenador de informação da Casa, Vitor Mihessen, explicou que a pesquisa foi uma peça importante para a produção do Plano Santa Cruz. 

“O Mapa faz um retrato socioeconômico da região e optamos por trabalhar em cima de 6 dos 40 indicadores que compõem a pesquisa. Destes dados selecionados, 4 falam sobre a falta de políticas públicas voltadas para a juventude. Queremos aumentar o número de jovens na universidade. Atualmente apenas 8% deles frequentam o nível superior”, apresentou Mihessen. 

A Ser Cidadão já luta para mudar esse cenário desde 2009, o foco da organização é ajudar a juventude a se aproximar da cultura e educação. Em Santa Cruz, a Casa Ser Cidadão sempre foi um espaço de acolhimento das atividades que antecederam a formulação do Plano. Boa parte das oficinas, cursos e palestras de planejamento da agenda aconteceram no local. Francisco Jorge contou que essas conversas se iniciaram em 2017, no aniversário de 450 anos do bairro. 

“Começamos a refletir sobre a nossa região, olhando para o passado e tentando pensar em que tipo de futuro a gente queria. Foi assim que começamos a nos encontrar para planejar um futuro melhor para o bairro. Queremos o fortalecimento da educação e cultura para que a juventude consiga desenvolver uma relação afetiva com a histórica Santa Cruz”, projetou Jorge. 

Para fechar o evento de lançamento, os organizadores chamaram o artista local Jessé Andarilho. O escritor é cria da favela de Antares e enfatizou a importância do protagonismo dos moradores nessa agenda. 

“O pessoal fala muito de dar voz para a população, mas aqui a gente inverteu essa lógica. Queremos que esse pessoal nos dê ouvidos, isso sim. Temos muito o que falar”, concluiu o artista. 

O Plano Santa Cruz 2030 já está disponível para download

Agendas Locais 2030

A Casa Fluminense está apoiando a formulação de 5 agendas locais, a publicação de Santa Cruz marca o início desses lançamentos. Em breve, articulações da Maré, Queimados, São Gonçalo e Japeri também vão publicar as suas agendas com propostas de políticas públicas territoriais. Essa é uma das novidades da nova edição da Agenda Rio 2030 que vai ser lançada na próxima quarta-feira (23/09), às 10h, durante uma transmissão ao vivo no facebook da Casa. Não deixem de marcar presença nesse encontro.  

Outras Notícias

Download - Mapa da desigualdade

* campos obrigatórios
Praesent diam accumsan Phasellus massa Aliquam id nunc elit. consequat. venenatis, eleifend