Pensando as metas para a cidade de Niterói

Categorias
Texto por
Comunicação Casa
Data
22 de março de 2017

Organizações da sociedade civil de Niterói ocuparam plenário da Câmara Municipal dos Vereadores, na última segunda (13/3), para ampliar o debate público sobre o Programa de Metas 2017/2020 com vereadores e cidadãos e entregar as Propostas da Sociedade Civil para a Gestão Municipal de Niterói. De acordo com a Lei Orgânica do Município, o prefeito Rodrigo Neves tem até o dia 31 de março para apresentar o programa que define objetivamente as metas a serem alcançadas pela gestão municipal em cada área da administração pública.

Com o quórum de aproximadamente 60 pessoas, a ocasião contou com a presença de 8 dos 21 vereadores: Betinho (SD), Gabriel Oliveira (PTB); Talíria Petrone (PSOL); Leonardo Giordano (PCdoB); Bira Marques (PT); Paulo Eduardo Gomes (PSOL); Leandro Portugal (PV); João Gustavo (PHS).

O encontro teve início com a fala de Álvaro Cysneiros, fundador do Niterói Como Vamos e presidente do Conselho de Transparência e Controle Social, que apresentou práticas e experiências inspiradoras no planejamento e monitoramento participativo em cidades brasileiras, como é o caso de São Paulo, e relatou o processo de construção do Plano Estratégico Niterói Que Queremos (NQQ), que apresenta uma visão de futuro para a cidade nos próximos 20 anos. Para ele, o NQQ é um salto em termos de aprimoramento administrativo, mas pontua avanços necessários: “ O que falta ao Niterói Que Queremos é uma sistematização estruturada dos entregáveis até que os 20 anos aconteçam, com a medição da eficiência e eficácia dos projetos na qualidade de vida das pessoas. Neste sentido, o Plano de Metas com a definição dos grandes objetivos dos quatro anos do mandato, junto ao Plano Plurianual (PPA) que vai direcionar como isso será feito, e associado a um conjunto de indicadores medindo a eficiência do impacto, faz a diferença.”

Estimulando cooperação e interlocução qualificada entre sociedade civil e poder público, o movimento que se articulou durante a Campanha #Rio2017, apresentou a sistematização das propostas da sociedade civil niteroiense agrupadas segundo os acúmulos gerados no NQQ.  Para Antonio Oscar Vieira, “ a estratégia resultou da visão do Fórum de Transparência e Controle Social de que é necessário que a sociedade civil dialogue com o poder público. Na medida em que já existia o programa Niterói Que Queremos, e que o mesmo precisava ser monitorado seria mais racional que as propostas sistematizada das Cartas Compromisso convergissem e procurassem se encaixar nos seus eixos. Esta seria uma das maneiras da sociedade ser ouvida e influenciar o planejamento da cidade.”

Após a leitura de destaques no documento de propostas da sociedade civil, o vereador Betinho (SD) alertou que os bons índices da cidade podem às vezes mascarar as desigualdade dentro do território e acrescentou: “ O orçamento de Niterói é contingenciado e pode ser modificado a todo momento. Isso é uma questão que requer ainda maior atenção dos vereadores com relação ao uso dos recursos pelo Executivo.”

O vereador Leonardo Giordano (PCdoB) reforçou o compromisso de seu mandato como signatário das cartas compromisso da Campanha #Rio2017 e destacou a importância de atrair novas organizações e entidades para o debate em torno do Plano de Metas. “ É preciso criar mais musculatura nesta articulação para que esse movimento consiga pautar e inclinar as ações do governo em direção às propostas apresentadas. Seria interessante também fazer uma nova rodada de assinaturas com o documento compilado em busca do  compromisso dos mandatos”, afirmou Giordano.

Para a vereadora Talíria Petrone (PSOL), o cenário atual produz uma sensação de afastamento da sociedade civil na interlocução com espaços institucionais como a Câmara Municipal: “ Precisamos ir ao territórios e ampliar nossa escuta, pois não há como fazer política pública sem esse movimento. Queremos pensar em como traduzir nossos compromissos assumidos com vocês em ações.”

A partir da valorização do Plano de Metas como instrumento de gestão, o encontro na Câmara ressaltou a importância de que, na sua formulação, monitoramento e avaliação, seja garantida a participação social. Apesar dos avanços apontados com a elaboração do NQQ, não é fácil para a população acompanhar as ações da prefeitura. Para Henrique Silveira, coordenador executivo da Casa Fluminense, “os desafio para a nova gestão, neste segundo mandato, é ampliar a prestação de contas sobre as metas da Prefeitura para a sociedade e fomentar a cultura de monitoramento para acompanhar essas metas ao longo da gestão.”

Como próximos passos, as organizações niteroienses definiram a entrega da sistematização das propostas ao Executivo durante reunião do Conselho de Transparência de Niterói e a ampliação a articulação com sociedade civil de Niterói em torno do monitoramento das metas da cidade.

Outras Notícias

quis odio id Phasellus Donec leo luctus ut tempus