Metrópole Transcultural: Retratos das periferias do Rio

Categorias
Texto por
Larissa Amorim
Data
25 de março de 2019

Visibilizar sujeitos, questões e territórios das periferias da Metrópole do Rio de Janeiro é a proposta da exposição “Metrópole Transcultural – Retratos das periferias” que está em cartaz, no Galpão Bela Maré, até o dia 27 de abril. Com curadoria do premiado Ronald Duarte e mais 14 trabalhos de artistas visuais metropolitanos, o evento é uma iniciativa do Observatório de Favelas, conta com apoio cultural do SESI/FIRJAN, Instituto Maria e João Aleixo e parceria da Casa Fluminense e do Imagens do Povo.


O projeto surge do desejo montar uma grande mostra que levasse para o campo das artes visuais um debate sobre o Rio de Janeiro metropolitano, não óbvio, múltiplo, nem sempre visível. “Nosso desejo é que moradores de São Gonçalo, da Baixada, da Zona Oeste, das nossas muitas serras e das inúmeras periferias fluminenses, tivessem muitas chances de se identificarem ou se reconhecerem em trabalhos artísticos que no conjunto nos lembrarão da nossa escala metropolitana. Com a Metrópole Transcultural faremos da Maré o centro desta proposta política e artística de multiplicação das imagens e representações que dizem respeito à Metrópole” – diz Isabela Souza, diretora de projetos de arte e território do Observatório de Favelas.

A abertura da exposição contou com as performances “Boiada de Ouro”, de Ronald Duarte; “Homem Chama”, de Marcelo Brantes; e “Super Zentais”, de Rafael Bqueer. Para a primeira participaram, aproximadamente, 30 pessoas vestidas com as ‘cabeças de bois’ douradas e que seguiram por um trecho da Avenida Brasil próxima ao Galpão Bela Maré.

foto: Igor Freitas

“Esse trabalho é na verdade uma constatação da nossa condição humana. Do momento do nascimento ganhamos nome, certidão, número de identidade e cpf, então você está totalmente mapeado, agora mais ainda com a Internet. Então as pessoas viraram replicantes delas mesmas, repetem tudo o que sociedade manda fazer. Essa condição você não tem como sair, como o boi durante a boiada”, explica o curador Ronald Duarte sobre a performance de abertura.

Fazem parte da exposição os artistas Claudio Cambra, Davi Marcos, Edmilson Nunes, Elilson, Elis Pinto, Igor Freitas Lima, Marcelo Brantes, Marcos Cardoso, Odaraya Mello, Rafael Bqueer, Raoni Redni, Suélen Brito, Thiago Ortiz e Vinicius (Pastor) Costa. A mostra segue em cartaz até o dia 27 de abril e contará com uma programação variada com performances, ações poéticas, oficinas de fotografia e cineclubes.

Oficina Imagens da Metrópole

foto: Henrique Silveira

No contexto da exposição, durante cinco sábados, a partir deste último (23/03), o Imagens do Povo/Observatório de Favelas realiza a oficina de fotografia Imagens da Metrópole para 16 fotógrafos/as (de 18 a 30 anos, escolhidos a partir de critérios de representatividade de gênero, raça/etnia, sexualidade e territorialidade), com duração de 20h. Os encontros são ministrados por Bira Carvalho e Francisco Valdean, coordenadores do projeto Imagens do Povo. O objetivo da oficina é contribuir para aprofundar o debate sobre as paisagens que costumam representar a metrópole fluminense e multiplicá-las.

Como parceira do Imagens da Metrópole, a Casa Fluminense esteve presente no primeiro encontro com os jovens fotógrafos para compartilhar a nossa visão e reflexão sobre os desafios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ) a partir de indicadores nos temas-chaves da mobilidade, educação e segurança pública, consolidados nos Mapas da Desigualdade.

Para contribuir na processo de formação e no debate sobre as paisagens culturais metropolitanas, compartilhamos o projeto #JanelaFluminense, uma curadoria de fotografias que promove um olhar metropolitano sobre os diferentes símbolos, espaços de convivência e cenários que compõem a diversidade de territórios da RMRJ. As imagens podem ser acessadas e acompanhadas pela hashtag #JanelaFluminense no perfil do instagram da Casa Fluminense (@casafluminense).

SERVIÇO

Exposição “Metrópole Transcultural – Retratos das periferias”

Data: 16 de março a 27 de abril de 2019 (terça-feira a domingo)

Horário: consultar programação

Local: Galpão Bela Maré | Rua Bittencourt Sampaio, 169, Maré (Entre as passarelas 9 e 10 da Avenida Brasil)

Ingresso: Gratuito

Classificação: Livre

Agenda Rio

Conheça o projeto

Outras Notícias

libero Nullam ut justo dapibus mi, lectus dolor. venenatis mattis