Instituto amplia oportunidades para transvestigêneres na Maré

Texto por
Larissa Amorim
Data
17 de dezembro de 2021

Gerar oportunidades de formação e renda para as transvestigêneres foi o que motivou o Instituto Trans Maré a escrever o projeto do curso de esmalteria no Fundo Casa este ano. Selecionadas em seu primeiro edital de apoio, as aprendizes e integrantes do Trans Maré conheceram técnicas básicas e mais elaboradas para atuarem como manicures na região. As aulas foram realizadas na Vila do João, uma das 17 comunidades que compõem o conjunto de favelas da Maré, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Conheça o instituto em três pontos: 

1- Atuação de formação

Uma vez por semana, seis integrantes do Trans Maré selecionadas para serem aprendizes de manicure frequentavam as aulas com alimentação no local, fornecimento de materiais para o curso, auxílio passagem e ajuda de custo para permanência no curso. Ao final do processo foi realizada uma cerimônia de formatura para celebração e distribuição de certificados e brindes, que contou com o apoio do Grupo TransRevolução — conhecido pelo projeto Casa Nem.

As aprendizes do Trans Maré conheceram técnicas básicas e mais elaboradas de esmalteria para atuarem como manicures na região. Foto: Moonjay

2 – Conversa com território

O Curso de Esmalteria do Instituto Trans Maré foi inspiração para outros movimentos do território e por isso três novas parcerias surgiram no decorrer da formação, com o Núcleo de Mães da Maré, a Associação de Moradores da Vila do João e a Resistência Lésbica da Maré. As novas pontes possibilitaram a distribuição de cestas básicas para as integrantes do Instituto, que buscam no futuro replicar o curso formativo para outros grupos. Outro horizonte futuro é montar o salão do Instituto Trans Maré para geração de renda e organizar mais cursos de formação estética nas áreas de maquiagem, trança e design de sobrancelhas.

As aulas foram realizadas na Vila do João, uma das 17 comunidades que compõem o conjunto de favelas da Maré. Foto: Moonjay

3 – Efeito Trans Maré

Além de seu espaço formativo para transvestigêneres, o Instituto Trans Maré busca ser lugar de acolhimento para as suas integrantes. Com o apoio do Fundo Casa, foi possível garantir o aluguel do espaço para realização de encontros regulares para troca de vivências e necessidades pessoais. As reuniões têm produzido uma atmosfera de segurança necessária para a escuta e apoio em um contexto de violência transfóbica e ausência de políticas públicas. A professora do curso de esmalteria e líder do projeto, Lohana Carla, fala sobre a necessidade da organização ser acolhida e fazer parte. 

“Com o projeto, nosso grupo passou a ocupar um espaço dentro da favela e isso fez com que nós fossemos percebidas pela população enquanto coletivo. As reuniões antes do projeto aconteciam na minha casa, agora o grupo se reúne tanto para o curso de esmalteria quanto para distribuição das cestas básicas, que acontece na rua principal da Vila do Pinheiro”, relata a líder do projeto, Lohana Carla.

A cerimônia de formatura do curso de esmalteria do Trans Maré para entrega de certificados contou com o apoio do Grupo TransRevolução. Foto: Moojay

Acompanhe e fortaleça o Trans Maré nas redes sociais: 

https://www.instagram.com/institutotransmare/

Outras Notícias

Download - Mapa da desigualdade

* campos obrigatórios
commodo Curabitur risus. ultricies et, commodo accumsan velit,