Fundo Casa na Baixada: conheça os 5 projetos selecionados na região

Texto por
Luize Sampaio
Data
26 de novembro de 2020

O Fundo Casa Fluminense escolheu projetos de 4 regiões da metrópole para apoiar este ano. Na Baixada Fluminense, cinco iniciativas foram selecionadas nos municípios de Duque de Caxias, Queimados, Belford Roxo e Nova Iguaçu. Em comum, todos têm o objetivo de provocar uma transformação no seu território através da educação, cultura e esporte mas, em meio a pandemia, muitos tiveram que voltar os seus esforços para a ajuda humanitária.

Programa Sim, Eu Sou do Meio!, Belford Roxo.

Sem apoio do poder público e atentos a dificuldade da população de acesso à água durante a pandemia, o Programa Sim! Eu Sou do Meio instalou o primeiro hidro ponto de Belford Roxo. A coordenadora do projeto, Débora da Silva contou que o programa social busca criar uma cultura de pertencimento para as crianças e jovens da região da Rua do Meio, como é popularmente conhecida a extensa Rua João Fernandes Neto. 

“Cresci ouvindo minha mãe falando para eu não passar perto da Rua do Meio. Nos anos 90, essa área foi considerada a região mais violenta da Baixada. Muita coisa em Belford Roxo mudou desde então mas, aqui no Meio nem tanto. O que a gente quer é mudar esse cenário, trazer outra perspectiva para a galera daqui. E vamos fazer isso através da cultura e da educação”, afirmou Débora. 

O projeto já distribuiu 600 cestas básicas na região além de cartões de alimentação para os catadores locais. Outra iniciativa foi a organização de debates eleitorais para aproximar a sociedade civil dos candidatos. Com uma nova sede em preparação, o Sim! Eu Sou do Meio pretende colocar outro projeto em funcionamento através do apoio do Fundo. A ideia é criar o “Sim!Bike” que vai passar pela rua divulgando informações sobre o coronavírus e também promovendo o comércio local que foi bastante atingido durante o processo de isolamento social. 

Festival de Artes em Imbariê (FAIM), Duque de Caxias. Foto reprodução: @faimfestival

No 3º distrito de  Duque de Caxias, o Festival de Artes em Imbariê (FAIM) adaptou sua quarta edição para o cenário da pandemia. Por conta disso, as exposições das obras esse ano foram coladas nos muros das casas do bairro e as apresentações musicais foram online. Com o tema “Eu Quero Respirar”, o idealizador do FAIM, Osmar Paulino, contou que levar a arte para as ruas foi uma forma de ampliar o acesso dos moradores ao festival.  

“Quase 100% dos moradores toparam colocar os lambes nas suas casas, é muito bom ver o pessoal curtindo as artes e mandando foto para gente do lado das obras todos orgulhosos. Esse é o maior Faim que nós já fizemos e agora a gente quer não só manter essa estrutura como também aumentar ainda mais. O Fundo veio mostrar para a gente que temos credibilidade, o que faltava mesmo era orçamento”, afirmou o produtor. 

A movimentação do FAIM também se deu com ajuda humanitária para a população dos 9 bairros adjacentes a Imbariê. No pico da pandemia o grupo chegou a atender mais de 6 mil pessoas. Mesmo não sendo o foco principal do projeto, durante o momento de crise e por falta de apoio do estado, o grupo assumiu também esse papel. 

Apadrinhe Um Sorriso, Duque de Caxias. Foto reprodução: @apadrinheumsorrisooficial

Esse foi o mesmo cenário encontrado no Parque das Missões, na outra ponta de Duque de Caxias. A idealizadora do Apadrinhe um Sorriso, Fabiana da Silva, contou que em meio a ausência de políticas públicas, os voluntários do projeto se organizaram para distribuir cestas básicas na região. A organização Apadrinhe um Sorriso é voltada para o desenvolvimento pedagógico e cultural atendendo anualmente 300 jovens e crianças e outras 64 mulheres. O Fundo Casa Fluminense foi usado tanto nas ações de ajuda humanitária quanto para manter as atividades de capoeira, dança e roda das mulheres. Fabiana acredita que é momento das organizações serem estratégicas. 

“Estamos usando o recurso de forma cautelosa, pois não sabemos como vai ser o próximo ano. A única certeza que temos é que será desafiador. Por enquanto estamos focados em manter o que temos e planejar estrategicamente de que forma vamos usar esse recurso nos próximos meses. Trabalhamos com voluntariado, precisamos ter responsabilidade e perceber até onde nossos braços aguentam chegar”, enfatizou a idealizadora do Apadrinhe um Sorriso. 

Instituto Enraizados, Nova Iguaçu. Foto reprodução: @institutoenraizados

O jovens também são o principal grupo de trabalho do Instituto Enraizados, que atua no Morro Agudo, em Nova Iguaçu. Através da metodologia do RapLAB, o projeto busca produzir espaços para que a juventude discuta sociedade e políticas públicas a partir das suas vivências, tendo o hip hop como aliado nessa construção. Com o recurso do Fundo Casa Fluminense, a ideia é manter o projeto e também conseguir apoiar a outra ponta dessa filosofia que são os artistas. Durante a pandemia, o Enraizados criou o Emergencial BXD para dar suporte aos profissionais da cultura locais durante essa crise e conseguir orientar esses artistas sobre a Lei Aldir Blanc. O educador e fundador do Instituto, Dudu de Morro Agudo, falou sobre como tem sido esse trabalho que conseguiu atender cerca de 1000 artistas locais. 

“Depois de ajudar as famílias da região, entrado em áreas que até mesmo eu não conhecia, percebemos que tinha muita gente do nosso meio cultural parado. O coletivo decidiu então abrir essa chamada emergencial para ajudar esses profissionais e uma coisa curiosa é que muitos deles não se consideravam artistas. Várias artesãs achavam que não tinham direito ao benefício”, afirmou Dudu. 

Coletivo Fala, Duque de Caxias. Foto reprodução: @coletivofala

Na divisa entre Duque de Caxias e Belford Roxo, o Coletivo FALA também têm se mobilizado para ajudar os profissionais culturais. O grupo sociocultural, que atua há 7 anos na Baixada, antes da pandemia realizava uma série de eventos e encontros voltados a valorizar as expressões artísticas locais. Com apoio do Fundo o grupo vai realizar a sua I Mostra de Artes virtual que vai selecionar 30 artistas da baixada. Os vencedores vão receber um apoio financeiro, blusa do coletivo e também uma cesta básica de natal com produtos orgânicos da própria região. Com edital aberto até o dia 30 de novembro, a produtora cultura, Alexandra de Araújo, contou que a Mostra chega como a intenção de fortalecer aos artistas mas também o coletivo.  

“Durante a pandemia paramos todo o nosso trabalho para focar na entrega de cestas, que era uma questão emergencial. Agora, a gente percebeu que precisávamos elaborar alguma atividade que ajudasse não só financeiramente como também emocionalmente. Tem sido um processo lindo, artistas que estavam com bloqueio criativo e estão conseguindo produzir pensando na nossa mostra”, contou Alexandra. 

Todo esse trabalho pode virar filme, o coletivo está documentando os processos de elaboração da  amostra. A ideia é que no ano que vem ocorra uma nova versão presencial do projeto com a apresentação deste vídeo. 

Golfinhos da Baixada, Queimados.
Golfinhos da Baixada, Queimados. Foto reprodução: @golfinhosdabaixada

Em Queimados, o Golfinhos da Baixada vem utilizando o apoio do Fundo Casa em três vertentes diferentes. A iniciativa é voltada para atender crianças e jovens e oferece o caminho do esporte como uma nova possibilidade de futuro para essa juventude. Durante a pandemia e com a falta de acesso das crianças às aulas online, o grupo tem se mobilizado na criação de uma sala multiuso que vai ser usada como um espaço de reforço escolar. Outra parte do recurso vai ajudar na impressão da Agenda Queimados 2030, documento que reúne dados e propostas de políticas públicas voltadas para o território. A gerente de projetos da Golfinhos, Gisele Castro, contou que mais outro projeto surgiu durante a pandemia enquanto o grupo distribuía cestas básicas para a população. 

“A gente percebeu que a maioria das pessoas que vieram pegar as cestas era mulheres chefes de família e pessoas LGBT+. Buscando criar uma aproximação com eles e também estimular alguma atividade de empoderamento, decidimos dar um mini curso de reparos domésticos. A ideia é que aprendam a fazer atividades básicas de manutenção como trocar a resistência do chuveiro ou então usar a furadeira. Queremos que se sintam mais independentes”, explicou Gisele.

O Fundo Casa Fluminense apoiou 20 projetos do leste à Baixada Fluminense. A cada semana vamos contar um pouco sobre o perfil dos grupos de cada um dos territórios selecionados.

Outras Notícias

Download - Mapa da desigualdade

* campos obrigatórios
consequat. amet, libero Praesent Aliquam vel, ultricies Sed Donec ut consectetur