COLUNISTAS: “A produção do comum na metrópole do Rio”, por Henrique Silveira

Categorias
Sem categoria
Texto por
Henrique Silveira
Data
28 de julho de 2015

Doze milhões de pessoas habitam 21 municípios numa metrópole marcada pela desigualdade socioterritorial e pela falta de integração. A metrópole desafia nossa capacidade de compreendê-la e de transformá-la num território pleno de direitos e de bens públicos. Nesse contexto, uma pergunta persegue os fazimentos deste colunista: Como construir práticas políticas renovadas para superar desigualdades?

Minha aposta está na produção do comum. Produzimos o comum no encontro com o outro, na comunicação entre as diferenças, na construção de linguagens, de símbolos e de pactos que nos aproximam. Estar aberto e disponível ao outro é um exercício de vida democrática. Isso não significa abrir mão de suas crenças e valores, mas implica a disposição de estabelecer empatias – pontes – que reforçam nossas afinidades.

É bom saber que facilmente encontramos hoje, nas ruas e redes sociais, ações que provam a existência de uma cidadania ativa. Diversos grupos e coletivos, especialmente nas periferias, produzem encontros e ocupam o espaço público, como faz o Cineclube Buraco do Getúlio mensalmente na Praça dos Direitos Humanos, em Nova Iguaçu. Ou a galera do Amanhecer contra a Redução, que vem debatendo a maioridade penal nas escolas de ensino médio em Caxias, ou ainda o Movimento Projeto Central, que luta pela revitalização do transporte ferroviário na Baixada.

A produção do comum está relacionada com esse trabalho imaterial e criativo, impulsionado pelas redes de informação e comunicação. Dessa forma, a produção social e a criação de formas de vida são dois lados da mesma moeda no mundo atual.

Outra chave para entender o comum na metrópole é a mobilidade urbana. E a mobilidade por nós defendida é física e simbólica, pois considera tanto a infraestrutura de transporte público para a circulação, quanto a apropriação social e o pertencimento da cidade. Sabe aquela sensação de que “esse não é o seu lugar”? Quanto maior for esse sentimento na sociedade, mais desigual ela é. Garantir mobilidade plena – física e simbólica – é condição para um projeto de democratização da cidade e de produção do comum.

No caso concreto do Rio, em meio às turbulências políticas e econômicas do Brasil, penso que precisamos cada vez mais de imaginação política capaz de construir caminhos para a transformação democrática das cidades, para a redução de desigualdades intra e intermunicipais e para o desenvolvimento sustentável. Nesse caminho, cito alguns pontos:

. Disputar a narrativa das jornadas de junho de 2013 e dar-lhe nova consequência

Depois da explosão da multidão nas ruas, aumentando a esperança de renovação política, da emergência de novos protagonistas e de um novo ciclo de lutas sociais, presenciamos eleições marcadas pelo continuísmo e uma ascensão do conservadorismo. As manifestações seguintes trouxeram o mote do golpe, do impeachment e do Fora Dilma, além do amplo apoio da população para medidas como a redução da maioridade penal. Quais são as pautas comuns que utilizaremos para sermos ativos no debate público, e não apenas reativos? Como transversalizar a ação da juventude, dos novos produtores culturais, das mídias sociais, das ONGs, da universidade, dos movimentos sociais, das religiões e do cidadão? Como produzir novo corpo e sentido na multidão, sempre aberto, plural e consequente?

. Fortalecer a identidade metropolitana e a consciência de que vivemos numa cidade comum

No caso do Rio de Janeiro, isso é especialmente importante, pois além da dicotomia clássica “favela x asfalto”, que marca desigualdades territoriais e sociais tão profundas nessa cidade, temos dicotomias “Rio x Baixada”, “Rio x outro lado da poça” e “Rio x Interior”. Construir a ideia de um Rio Inteiro, de uma cidade metropolitana comum, com universalidade de direitos e de oportunidades para toda população, não somente para estratos sociais privilegiados, é um horizonte estratégico para a produção do comum.

. Produção de encontros e a politização da vida nos territórios

A “Arte” do encontro entre diferenças, a ocupação do espaço público e a construção de linguagens e símbolos comuns são ações que, conjugadas, podem criar um caldo político capaz de aglutinar diferentes atores e pautas na disputa pela agenda pública das cidades. No entanto, não basta produzir o encontro da diferença somente nos locais clássicos do centro da cidade. É fundamental a ampliação do ecossistema de territórios e de atores, desvelando o mapa afetivo de uma metrópole profunda e cheia de vida.

Longe de esgotar o debate, seguimos na peleja de produzir o comum nas experiências do dia a dia, em relações sociais e espaços de reprodução social. E nossa conversa segue nas ruas e nas redes. Um bom lugar para ampliar esse papo e produzir comum será no 5° Fórum Rio, em São Gonçalo, dia 22 de agosto. Para além do jabá, esse é o momento de conjugar teoria e prática, de trabalhar na construção de outra metrópole possível.

Última coluna do autor:

Baixada, a fronteira da Segurança Pública

Outras Notícias

Download - Mapa da desigualdade

* campos obrigatórios
Aenean tristique quis non mattis Phasellus