Organizações e lideranças da Baixada Fluminense lançam manifesto cobrando medidas de prevenção ao Coronavírus

Categorias
Texto por
Comunicação Casa
Data
26 de março de 2020

A população da Baixada Fluminense está preocupada com os riscos que a pandemia de coronavírus traz para região. Com problemas históricos de violação de direitos e desigualdades no acesso a direitos básicos, os moradores da região temem que o cenário se agrave ainda mais.

Neste sentido, cerca de 100 coletivos, organizações, lideranças sociais e iniciativas, de 13 municípios da Baixada Fluminense, se uniram na articulação #CoronaNaBaixada e estão empenhados em combater a disseminação do novo coronavírus (COVID-19) com propostas para enfrentar a crise nesse momento de pandemia. A Casa Fluminense é uma das organizações que fazem parte da articulação.

Para Douglas Almeida, coordenador de mobilização da Casa Fluminense e morador de São João de Meriti, pouco vem sendo falado sobre a situação da Baixada Fluminense no contexto da pandemia do Coronavírus. “Vemos muitas pessoas ainda circulando nas ruas normalmente, mesmo com as medidas de isolamento domiciliar. Ouvimos também pessoas relatando nos seus bairros que estão com os sintomas, mas que não consegue fazer o teste. Por isso, precisamos pautar de forma articulada medidas de prevenção na região da Baixada Fluminense”, afirmou o Douglas.

Com objetivo de articular iniciativas que estão acontecendo na região, o #CoronaNaBaixada está trabalhando em três frentes: (i) compartilhamento de experiências de solidariedade local; (ii) elaboração e divulgação de estratégias para orientar os moradores da Baixada a ficarem em casa; (iii) interlocução com a mídia e com o poder público, para visibilizar os problemas enfrentados no dia a dia nos municípios e acompanhar as medidas que estão sendo adotadas.

O #CoronaNaBaixada elabora uma carta manifesto com 7 propostas direcionadas às prefeituras e ao Governo do Estado para garantir direitos à população da Baixada Fluminense. A articulação segue recebendo mais adesões no formulário online, divulgado pelos perfis e canais dos signatários. A cada 48h será atualizada a lista de signatários.

Confira abaixo o texto da carta #CoronaNaBaixada:

A pandemia do coronavírus (COVID-19) é algo novo para todas as gerações. Mas diversos problemas na Baixada Fluminense já existem antes da pandemia e com ela podem se agravar.

Na Baixada, infelizmente, é histórico o processo de violação de direitos. A população pobre, preta e periférica, moradora dessa região, sofre com a violência, desemprego e precarização do trabalho, baixo número de leitos disponíveis e problemas no acesso à saúde, falta de saneamento (água potável, coleta de esgoto, coleta de lixo), adensamento habitacional excessivo (mais de 3 pessoas dormindo no mesmo quarto), dentre outros.

Infelizmente, a infraestrutura e as condições não são boas, propícias para a proliferação do coronavírus. Mas os governos e a sociedade têm que entender suas responsabilidades para evitarmos a expansão do número de casos. Hoje, temos poucos, mas é necessário prudência e atenção. Muitas denúncias chegam de pessoas com sintomas que não foram testadas, inclusive que vieram a óbito. Há prefeituras que estão se esforçando para seguir as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias, mas algumas ainda não entenderam a gravidade da situação ou preferem seguir as orientações desastrosas do presidente da República, com isso não implementaram medidas sérias para o isolamento e informação aos moradores, estando na contramão das orientações da OMS.

Nesse momento de crise, precisamos que as prefeituras da região façam ações coordenadas com o Governo do Estado, buscando soluções conjuntas numa região onde a circulação entre os municípios é bem comum. O vírus não conhece nossas divisas.

Reforçamos que seja garantido à população da Baixada Fluminense:

  1. A recomendação da OMS de realização de testes em pacientes com sintomas do novo coronavírus, inclusive os casos leves, testando o máximo de pessoas possíveis para que haja o isolamento adequado de quem estiver contaminado com o COVID-19.
  2. Medidas de redução da circulação e aglomeração de pessoas, sem uso excessivo da força, seja no comércio, indústrias, transporte público, templos religiosos e também nos bairros residenciais. Garantir o isolamento dos idosos e das pessoas com doenças crônicas, como hipertensos e diabéticos.
  3. Renda para trabalhadores informais e formais que tiveram seus contratos suspensos ou foram demitidos. Reforçar a importância que os municípios e o estado pressionem o governo federal por medidas de transferência de renda, como a efetivação da proposta de renda básica emergencial, sugerida por um conjunto de organizações no Brasil. É importante que a medida beneficie as famílias dos estudantes da rede municipal com renda inferior a 1 salário mínimo.
  4. O acesso à água potável, em meio a diversas denúncias de falta d’água em vários bairros da Baixada Fluminense. Além disso, fazer a higienização periódica das ruas.
  5. Insumos para a população em situação de rua, pessoas com deficiência e às populações favelada e periférica, tais como: álcool gel, máscaras faciais de proteção descartáveis, copos descartáveis nos bebedouros, produtos de higiene pessoal, além de outros que sejam indicados pelos gestores de saúde pública e órgãos integrantes do Sistema Único de Saúde. Garantir que não haja cobrança abusiva desses insumos e dos produtos da cesta básica.
  6. Que a Política de Segurança Pública seja pautada por ações articuladas, na lógica de inteligência e não de operações cotidianas, visando otimizar e integralizar as medidas de prevenção ao COVID-19. A preservação das vidas deve ser prioridade, impedindo a violação de direitos, para que não haja o fortalecimento de milícias e outros grupos criminosos.
  7. Serviço de monitoramento que possibilite, em acordo com as recomendações sanitárias de proteção contra o contágio, identificar e intervir em situações de violência doméstica e outras formas de abuso contra mulheres, crianças e adolescentes, população LGBT e outros grupos vulneráveis em função do período de isolamento social/quarentena, além de reforçar a Patrulha Maria da Penha.

Assinam essa carta / manifesto as organizações, coletivos, iniciativas, pessoas e movimentos:

Casa Fluminense

Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial

Fórum Grita Baixada

Associação Apadrinhe um Sorriso

Rede de Mulheres Empreendedoras da Baixada

Roda Cultural do Centenário

Rua Juventude Anticapitalista

Cia. Cerne

Cineclube Buraco do Getúlio

Bxd_Qm2

Coletivo Baixada Ativa

BaixadaCine

Ampara

Movimento Educação Popular +Nós

Movimenta Caxias

Roda de Mulheres da Baixada

Coletivo Minas da Baixada

Centro de Desenvolvimento Se Essa Rua Fosse Minha

MJPOP – Monitoramento Jovem de Políticas Públicas

Visão Mundial

Colegiado Diocesano da Pastora da Juventude – Duque de Caxias

Rede de Mães e Familiares vítimas de violência da Baixada Fluminense

Gomeia Galpão Criativo

FAIM – Festival de Artes de Imbariê

Coletivo Nádia Félix

Cineclube Velho Brejo

Redenção Baixada

Pedala Queimados

Casa Semente

Casa da Cultura

ABM – Conselho de Entidades Populares

COMTREM

AMIGAS – Associação de Mulheres de Itaguaí Guerreiras e Articuladoras Sociais

Resiste Meriti

APPH CLIO

SEPE Duque de Caxias

SEPE São João de Meriti

Mobiliza Japeri

Instituto Enraizados

Rede de Mulheres da Baixada (ASPLANDE)

Pastoral da Juventude da Diocese de Nova Iguaçu

Pastoral da Juventude da Diocese de Itaguaí

CRPJ – Coordenação Regional da Pastoral da Juventude Leste 1

Coletivo MovimentAção

MPS – Movimento Pró Saneamento

ONG Mão Amiga Lutando pela Vida

AMA – Associação Mulheres em Ação

Rede Baixada em Cena

Portal B

Site da Baixada

Japeri Online

Rádio Ativa FM 98.7

Associação Cultural e Esportiva Nova Aliança

Projeto CAPO – Centro de cultura e arte popular

CDH – Centro dos Direitos Humanos de Nova Iguaçu

Centro Cultural Amar São João

Grupo Código

Projeto Luar de Dança

Grupo MJPOP Luar de Duque de Caxias

Associação Guadá Vida

UBM

UNEAFRO RJ

FORAS

Antonio Augusto Braz – Duque de Caxias

Daniela Abreu – Magé

Douglas Almeida – São João de Meriti

Fernando Nicholas – São João de Meriti

Guilherme Linhares Antunes – Belford Roxo

Luana Pinheiro – Nova Iguaçu

Nilson Henrique de Araujo Filho – Queimados

Priscilla Abrantes da Silva – São João de Meriti

Vinícius Baião – São João de Meriti

Outras Notícias

Download - Mapa da desigualdade

* campos obrigatórios
leo porta. felis fringilla ut elementum libero libero Curabitur dolor