De olho na mobilidade urbana: confira as propostas dos prefeitos eleitos para o tema

Categorias
Sem categoria
Texto por
Cintia Thomaz
Data
11 de novembro de 2016

*Com Cidade dos Sonhos e Aos Fatos

Pensar em soluções para a mobilidade urbana não se resume a melhorar o uso do transporte público, mas sim adotar um conjunto de medidas para que as pessoas percam menos tempo se deslocando. Nos planos de governo dos prefeitos eleitos dos cinco municípios avaliados, registrados junto ao Tribunal Regional Eleitoral, há carência de ações que reflitam a dimensão do planejamento urbano. Por outro lado, há propostas concretas para garantir a operação efetiva dos transportes públicos. Foram verificadas as promessas de campanha dos prefeitos eleitos no Rio de Janeiro, Niterói, São Gonçalo, Nova Iguaçu e Duque de Caxias.

Com 59,36% dos votos válidos, o senador Marcelo Crivella (PRB) foi eleito prefeito da capital no segundo turno da eleição. A vitória do senador sobre o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) é a primeira conquista do PRB em uma capital. Quando se trata de mobilidade, as principais medidas a serem tomadas por Marcelo Crivella dizem respeito aos ônibus do BRT: ele afirma que vai concluir e colocar em operação o corredor BRT TransBrasil até o fim de 2017 e também adianta que vai elaborar um estudo para levar o BRT Transcarioca para o centro da Ilha do Governador até o final de 2020. As obras do BRT TransBrasil seguem paralisadas desde o início dos Jogos Olímpicos.

Outra promessa de campanha de Crivella é interromper imediatamente a progressão do processo de racionalização das linhas de ônibus, realizada na gestão do atual prefeito Eduardo Paes, e promover um amplo diálogo com a população no próximo ano para revisá-lo e reduzir o número de transbordos no sistema, com vistas a evitar prejuízos aos passageiros que utilizam o Bilhete Único Carioca. Além disso, ele deseja ampliar para 3 horas o prazo de utilização do benefício – hoje, esse prazo é de duas horas e meia – e estender seu uso para o Metrô Rio até o final de 2018.

“Vou acabar com a confusão que fizeram com as linhas de ônibus. Comigo, vai ter menos baldeação, e as pessoas não vão perder a validade do Bilhete Único. Aliás, até 2018, o Bilhete Único vai valer por três horas e vai poder ser usado no metrô”, disse Crivella, em programa político, do dia 20 de setembro.

Para a zona oeste da cidade, o compromisso de Crivella é recuperar a operação de vans, integrando-as aos modais de média e alta capacidade (ônibus, metrô, BRT e trem). Para isso, o prefeito eleito deseja fazer uma licitação, ao final de 2017, determinando que uma pessoa, através de consulta ao CPF possa operar apenas uma van, evitando a formação de cartéis.

Em junho deste ano, a Secretaria Municipal de Transportes abriu uma licitação para 99 linhas de vans na zona oeste. Segundo o Diário Oficial do Município de 16 de junho, a nova rede de vans irá complementar o serviço de BRT já oferecido na região, ampliando a oferta de transporte aos passageiros. No entanto, em agosto, o Tribunal de Justiça suspendeu essa licitação a pedido do consórcio Santa Cruz, que opera na Zona Oeste da cidade. O valor estimado da licitação era de R$ 3,1 bilhões.

Uma proposta de campanha do prefeito eleito, criticada por especialistas em mobilidade urbana, é a de construir nove estacionamentos subterrâneos na cidade até o final de 2020: três na zona sul (Copacabana, Ipanema e Leblon), três na zona norte (Madureira, Méier e Tijuca) e outros três na zona oeste (Campo Grande, Bangu e Jacarepaguá), priorizando suas localizações próximas às estações de BRT, metrô e trem. Em entrevista à rádio CBN, no dia 20 de setembro, Crivella ressaltou que em muitos bairros não é mais possível parar o carro.

“Copacabana é um exemplo. Eu preciso fazer parceria com as pessoas para ter estacionamentos subterrâneos. As pessoas querem vir pro Saara e depois visitar um parente na Ilha do Governador, em Bangu, Campo Grande. Não dá para você vir com um ônibus público até aqui e depois ter um outro ônibus público pra lá carregando embrulho. Eles querem estacionamento”, disse ele aos jornalistas da CBN.

A proposta estimularia ainda mais o uso de carros particulares. De acordo com o Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP), quanto mais vagas forem oferecidas, a preços baixos, maior será a demanda por carro nas cidades e, consequentemente, os congestionamentos aumentariam. No entanto, o Instituto Militar de Engenharia (IME) indica que, para que seja estimulada a integração entre o transporte individual e o transporte público, é preciso a implantação de estacionamentos próximos a paradas, estações ou terminais. O estudo ressalta, porém, que fatores como segurança, tempo de transbordo (entre o estacionamento e o embarque) e custo de transferência devem ser levados em consideração pelos motoristas para que essa integração entre carro e transporte público seja efetiva.

Rodrigo Neves, reeleito em Niterói, vai priorizar integração entre modais

Em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, Rodrigo Neves (PV) foi reeleito com 58,59% dos votos válidos. Seu opositor, Felipe Peixoto (PSB), somou 41,41%. Entre as principais propostas para a mobilidade urbana no novo mandato do prefeito estão a consolidação do BRT TransOceânica como principal via de mobilidade urbana da cidade e a busca por soluções integradas de mobilidade, investindo na melhoria das calçadas e ampliando as ciclovias.

Melhorar a integração entre os modais, privilegiando o transporte público de alta capacidade, promessa de campanha de Rodrigo Neves, é uma das diretrizes adotadas pelo ITDP para definir o conceito de Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável (DOTS).

Outra proposta do prefeito eleito de Niterói, para o tema da mobilidade urbana, é a de avançar na transformação do Centro da Cidade promovendo um ambiente agradável para a habitação e para o trabalho, integrando moradias, comércio e serviços de forma a permitir pequenos deslocamentos a pé ou de bicicleta e implementando ações voltadas à valorização do meio ambiente, da cultura, do turismo, e ainda à inclusão social e ao desenvolvimento sustentável.

Plano de Mobilidade Sustentável será implantado em São Gonçalo

Eleito prefeito em São Gonçalo, no último dia 30, o médico e deputado José Luiz Nanci propõe elaborar um Plano de Mobilidade Sustentável, com a participação da sociedade, estabelecendo as diretrizes da política municipal de mobilidade e as ações para sua implantação.

Além dessa proposta, Nanci deseja estimular o uso do transporte coletivo e não-motorizado a fim de reduzir a parcela da população que usa o automóvel como meio de deslocamento. Uma de suas promessas de campanha é desenvolver um plano de ciclovias, criando bicicletários públicos em todas as regiões da cidade, para incentivar a bicicleta como opção de transporte.

O prefeito eleito também se compromete a requalificar as linhas de ônibus, fiscalizando a idade média de cada ônibus, e a substituir toda a frota de coletivos convencionais por ônibus climatizados.

Melhorar o trânsito é meta na prefeitura de Caxias

Em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, o deputado federal Washington Reis (PMDB) foi eleito prefeito novamente. Ele já havia ocupado o cargo entre 2005 e 2008. As eleições no município foram marcadas pela violência: três pré-candidatos a vereador foram assassinados nos meses de junho e julho.

Construir viadutos sobre a linha férrea em Gramacho, Campos Elíseos, Jardim Primavera e Saracuruna e instalar ciclovias com bicicletários em Morabi, Saracuruna, Jardim Primavera, Campos Elíseos estão entre os objetivos do programa de governo de Washington Reis.

O prefeito eleito também sugere a construção de um Centro Operacional de Controle, para aperfeiçoar o trânsito local, com a criação de semáforos inteligentes, e recuperar vias públicas.

cicloviasinvisiveis

Ciclistas ganharão espaço público em Nova Iguaçu

Após ter a sua candidatura suspensa, pela Justiça Eleitoral, no primeiro turno das eleições de Nova Iguaçu, o deputado estadual Rogério Lisboa (PR) derrotou o atual prefeito Nelson Bornier (PMDB) na disputa pelo cargo no segundo turno.

Para a mobilidade urbana, Rogério Lisboa propõe sete ações na prefeitura do município de Nova Iguaçu. Entre elas, assegurar equidade no uso do espaço público para os passageiros do transporte coletivo, pedestres, motoristas e ciclistas. Estes ganharão espaços apropriados nos principais corredores de fluxo da cidade, priorizando a criação de ciclovias na Estrada de Madureira e Vila de Cava, no Tinguá.

Lisboa também deseja exigir dos concessionários de linhas de ônibus a instalação de elevadores para cadeirantes, ar condicionado e o fim da dupla função dos motoristas, com o retorno dos cobradores.

Atuar nos gargalos do trânsito a fim de otimizar o fluxo, minimizando os tempos de deslocamento, também é uma das promessas de campanha do prefeito eleito. Por fim, Lisboa pretende formular atividades voltadas à educação no trânsito, com apoio das redes escolares pública e privada e redes sociais.

Outras Notícias